O declínio da esquerda tradicional e o futuro da Contestação Crítica – comentários a partir da saída de Fidel

.
A expressão “declínio da esquerda” pode remeter à falsa impressão de que o início desse processo se deu a partir da queda do Muro de Berlim e da dissolução da União Soviética. Na verdade, a esquerda começou a se desintegrar a partir da própria ascensão do stalinismo. A partir daí, as correntes socialistas se viram às voltas com uma Realpolitik empobrecedora e castrante da criatividade filosófica e cultural que necessariamente devem acompanhar um movimento de contestação. Ademais, o stalinismo significou o fim do “movimento” leninista em nome de uma institucionalização brutal do socialismo meramente “científico”. A “ciência” falou mais alto que os demais aspectos da realidade social. E olha que Gramsci já tinha falado que era preciso haver liberdade no socialismo e na revolução e que a cultura era tão importante quanto o Partido e as “determinações econômicas”. Weber ia dizer a mesma coisa, mas pelo lado capitalista da Guerra Fria intelectual. Ninguém deu bola pro coitado do Gramsci, acusado de revisionismo, que morreu sozinho e triste no cárcere.
.
A partir daí, o socialismo (marxismo-leninismo, maoísmo, trotskismo) significou Realpolitik, ou seja, a resposta clara e pronta contra o sistema capitalista que precisava ser combatido. A poesia, o cinema, a literatura, a “teoria” tinham que ser “engajadas” no pior significado que o termo pode assumir: pré-prontos, enlatados, manipulados, sem sal e sabor estético algum. Desde as cavernas os seres humanos são estéticos, o que se prova pelas pinturas rupestres. O capitalismo soube usar essa necessidade humana ao extremo, engendrando a sociedade do espetáculo. O socialismo, por sua vez, quis abafar a estética em nome da revolução. Quando, na verdade, a revolução precisava ser, ela mesma, também estética. De que adiantaria o socialismo, se não fosse belo? Não por acaso, as massas fugiam da Alemanha Oriental rumo à zona de prosperidade capitalista no lado Ocidental. É melhor a enganação estética do que o deserto do real.
.
Lutar contra o capitalismo, contra os governos capitalistas, contra a moral burguesa, contra o pensamento acadêmico burguês, contra o prazer burguês, contras as piadas burguesas… Era muita coisa para destruir em um sistema que funcionava perfeitamente bem (no sentido funcional, não em sentido moral). E pior: tudo isso deveria ser substituído por fórmulas prontas e rígidas impostas por inteligências verticais (comitês centrais). O capitalismo era mais estimulante: pregava o self-made-man, dizia que você deveria ser dono de si, que ninguém podia lhe roubar a liberdade (ainda que efetivamente roubasse). O socialismo dizia: submeta-se à direção, seja abnegado, renegue tudo. O problema do socialismo é que se tornou um deserto de realidade extrema. Se tornou chato. Isso quando o capitalismo inventou a sociedade do ócio e do entretenimento para aproveitar e lucrar com o tempo livre conquistado pelos trabalhadores e classes médias ascendentes a partir da redução e regulamentação das jornadas de trabalho. Para os capitalistas, lazer após o trabalho. Para os socialistas, luta após o trabalho. Não era difícil prever o que a maioria escolheria. Ninguém pensou (porque não quiseram ouvir Gramsci) que se deveria aliar lazer e luta, luta e lazer.
.
A culpa talvez tenha sido do gigantismo da vontade. Nunca um sistema organizador da realidade social (cidades-estado rurais-comerciais, feudalismo, capitalismo etc) foi substituído por outro de forma racional e pré-programada. Para se ter idéia, o termo capitalismo só passou a ser amplamente usado no século XIX, quando já estávamos há muito sob sua hegemonia. Não consta nos registros históricos passeatas no século XVI com slogans “Revolução Capitalista Já!”. Mas consta que os burgueses buscaram aliança e distância do Estado quando preciso fosse, consta o nascimento de um sentido burguês da vida etc, mas tudo paulatinamente, sem pressa.
.
O socialismo errou por tentar ser total, o que só poderia desembocar em totalitarismo. Alocou-se autoritariamente em sistemas diretivos centralizados o monopólio da criatividade, quando esta deveria emanar livremente de todos. Tentou-se impor a resposta universal do materialismo, quando, não raro, as pessoas queriam dar risadas com uma comédia. Mas isto seria burguês ou dominação “pão e circo” do sistema. Mas não tinha que ser necessariamente assim.
.
O stalinismo contaminou imperceptivelmente até seus opositores de esquerda, ao ser o crupiê, ou seja, aquele que ditava as regras do jogo de tal forma que, até para se opor, era preciso se igualar. Qualquer que fosse o tipo de marxismo abraçado, a discussão era pragmática: ganhar sindicatos, organizar passeatas, mobilizar estudantes e operários etc. Mas e a reflexão sobre a vida? E o humor? E o jovem Marx da Ideologia Alemã? Nada disso importava. A pobreza conceitual e espiritual dominou aqueles que, de início, representavam a emancipação. E eles nem perceberam. Não perceberam que suas bandeiras deixaram de empolgar. Não perceberam que já não despertavam emoções. Quando ruiu o muro de Berlim e a União Soviética, o que ruía, na verdade, eram os fantasmas de sonhos passados e os pesadelos presentes.
.
Nesses últimos dias, Fidel Castro renunciou ao cargo de Comandante-em-chefe de Cuba, após 49 anos ininterruptos no poder. Não quero aqui tecer os prós e contras de seu longo governo, pois no fim das contas, acho que dá empate. Por mais que alguns exagerem na admiração do ícone. De qualquer forma, uma coisa é certa: sua saída fez bem menos barulho do que sua entrada em cena junto com Che Guevara e Camilo Cienfuegos na marcha sobre Havana em 1959.
.
A saída de cena de Fidel representa o encerramento completo de um ciclo histórico de contestação baseado no socialismo “científico”. Enquanto Fidel se mantinha em cena,  a queda de Muro de Berlim e a dissolução da União Soviética pareciam incompletas. China e Vietnã já tinham se decidido por um capitalismo de Estado e a Coréia do Norte vive em um isolamento tão brutal que pouco se lembra da sua existência. Mas outros ciclos virão e espero que sejam mais abertos à filosofia (acadêmica e popular), à arte, à criatividade, à utopia em detrimento do realismo gulaguiano. Política não se pode fazer sem realismo, é verdade. Mas emancipação não se pode fazer sem sonho. É preciso que a nova contestação combine equilibradamente os dois pólos. Racionalização e subjetivação, como fala Alain Touraine. Estrutura e mundo da vida, como ensina a Sociologia pós-positivista.
.
Por isso, a contestação só não basta. Não basta apenas criticar o Outro, o Mal, o Sistema, o Capital. É preciso também criticar cada tentação autoritária, cada saída fácil. Assim, a Contestação só pode, neste novo milênio, ser Crítica. Daí minha proposta da Contestação Crítica. Alguns podem ainda chamá-la de socialismo. Isso é o de menos. O que interessa é o espírito da coisa e não sua nomenclatura.
.
A Contestação Crítica, por sua vez, deve ter sua casa no Clube da Política, ou seja, numa renovada Ágora que não assuste os indivíduos que deseja agregar, mas que, ao contrário, saiba inserir os elementos que cada indivíduo ou grupo valorizam e com o qual tenham identidade, respeitados os limites democráticos e do bem comum. A Contestação Crítica deve ser o substituto dos partidos centralizadores do marxismo ortodoxo, mas de forma a despontar em cada canto do globo e de formas distintas, sem a atrofia por vanguardas iluminadas. A Contestação Crítica será cada insurreição espontânea e/ou organizada contra a opressão (material e simbólica) em todos os seus moldes. O Clube da Política, por sua vez, deverá ser a vida cotidiana de cada um de nós.
.
Retira-te em paz, Fidel! Lutaste bastante. Mas agora é hora de outras tentativas por outras pessoas em um novo tempo.

Tags: , , , , ,

7 Respostas to “O declínio da esquerda tradicional e o futuro da Contestação Crítica – comentários a partir da saída de Fidel”

  1. Rafael Says:

    Excelente!!!

  2. Emerson Says:

    Olha, antes de começar realmente este comentário, quero deixar bem claro que aqui segue, de forma respeitosa, apenas minhas opniões sobre o texto em questão. que de modo algum tento ou acho ser superior a você. em fim, isto não é um sermão rsrs, apenas acredito que deve-se buscar a melhor maneira de escrever , já que a intenção de um texto é convencer o leitor a concordar com as ideias ali contidas, ou ao menos fazer com que ele reflita sobre elas.

    Discordo de algumas ideias contidas no texto (mas respeito). Concordo com outras. Enfim tudo que espera-se de um “embate filosófico”. Em determinado ponto você fala sobre “revolução estetica” e diz (nas esntrelinhas) que o futuro socialismo deve tomar isso como diretriz a ser seguida [me corrija se estiver errado]… Volto a concordar EM PARTE com voce.
    Devo confessar, talves por deficiencia minha, que acreditava que encontraria, pela simples analise do titulo, algo mais detalhado detalhado sobre ” o declinio da esquerda”. mas vi uma sequencia “Pesada” de uma serie de filosofos de esquerda, que ao meu ver são importantes, mas as citações de suas respectivas filosofias acabam dando NESTE CASO, um certo desvio do que voce se propôs a comentar! Penso que você deve reavaliar ESTETICAMENTE seu texto.

  3. Rafael Says:

    Meu caro, repensando sobre a questão, sugiro que, agora, vc escreva um novo texto detalhando um pouco mais o que seria a Contestação Crítica.

    Boa sorte!

    Forte abraço.

  4. Larissa Says:

    Achei o texto excelente, assim como Rafael. Como sempre você põe as idéias da maneira certa no texto. Não vi nenhum problema estético, já que sou uma mera mortal. rs

    Beijo

  5. Tiago Lorenzo Says:

    Velho, claro que gosto de seu blog, mas pra mim, este é seu melhor post.

    Obs: Vejo que o velho Nietzsche e sua “moral estética” ainda está vivo em você. 😀

  6. Ilane Says:

    Ótimo texto. Logo nas primeiras linhas me fez lembrar da época de minha adolescência, quando experienciava e tinha fôlego em propagar estas idéias, as quais tb notava entre meus próximos. Uma aspiração q, espero, não ter morrido, mas que esteja se rearticulando, entre o embate e a ponderação de não abandonar nossas múltiplas expressões (culturais,sociais,pessoais). Tudo sem deixar que nossas portas se fechem aos sonhos e à criatividade. Bons tempos.
    Acredito que entendi sua abordagem não-diretiva sobre a saída de Fidel. Sabemos de que ainda há um grande impacto interno, mas, mundialmente, já tínhamos a noção do que iria acontecer com Cuba.

  7. Leandro Muller Says:

    Entrei sem querer no ”site”,mas acabei lendo. Sabe, eu penso que só vivo um tempo em que morrerei em alguns anos,para me deixar feliz só resultados como o nacinal socialismo ou o stalinismo,o seu é para 100000bilhoes de anos no futuro,a tartaruga de aquiles,bons sonhos vá dormir seu deselegante,a sua vontade gera o ridículo,vc é este mundo.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: