Dos Líderes, ou como surgem as opiniões de massa

Bem, voltei das férias. Agora explico como funcionará esse blog.

 Ele será um espaço para que eu possa escrever sobre o que quiser na hora em que a vontade bater. Mas cada post será categorizado e vocês poderão ler apenas os posts dos assuntos que lhes interessam. Basta olhar as categorias aí do lado direito. O tamanho da palavra refere-se ao número de posts. Esse blog também será semi-colaborativo, no sentido de que, sempre que necessário, recorrerei a amigos que saibam mais do que eu sobre determinados assuntos que mesmo assim me atreverei a discorrer.

Agora, sobre o assunto que me fez pensar no título desse post.

Estava na rede pensando (e Teoria Social é algo que se faz melhor da rede) em como é possível que a sociedade tenha opiniões compartilhadas. Pode-se pensar no papel desempenhado pela televisão a partir do século XX. Mas e antes? Quem exercia esse papel?

Pensemos na cobra que engoliu um elefante tal como desenhada pelo Pequeno Príncipe.

Esta foi a versão inicial do desenho:

Ao mostrar o desenho aos adultos, estes se abstém de emitir opinião, uma vez que se tratava de assunto infantil. Até que um diz: “é um chapéu”. Esse é o Líder. O Séquito (a massa) é composto por aqueles que passam imediatamente a concordar com a opinião do Líder. E o que antes parecia ininteligível se torna tão claro que não se pode evitar de pensar: “como não cheguei, eu mesmo, a conclusão tão óbvia?”.

Há um mês dei uma aula particular de Sociologia sobre Representações Sociais. Pois estas são tão-só as opiniões de massa compartilhadas pelo Séquito de um Líder. Líder, nesse sentido, possui uma ampla conotação, podendo ser indivíduos, partidos, movimentos, moda, televisão, celebridades, Igreja etc.

Pensador, crítico, contestador, ou seja, Filósofo, é aquele que rompe o silêncio da complacência repetitiva e diz bem alto que não se trata de um chapéu, mas, sim, de uma cobra engolindo um elefante.

Tal como a segunda versão do desenho, que o Pequeno Príncipe fez para aqueles incapazes de ir além das aparências:

                                              

Mas Filósofo não tem Séquito.

Tags: ,

2 Respostas to “Dos Líderes, ou como surgem as opiniões de massa”

  1. De Vargas à Wagner « Tempos Pós-Modernos Says:

    […] . Quem disse que Carnaval não é momento para se pensar em política? Não é momento para a massa pensar em política! Mas essa nunca pensa em política mesmo… . PS. Teve beijinho pra […]

  2. rafaela Says:

    muito bom o desenho e o livro do pequeno principe

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: